Deus Chama, Surpreende e Ama

No dia 06/05/2019, eu caminhava para o meu trabalho, no retorno do almoço, curtindo o podcast da Vatican News, ouvia a tradução da homilia do Papa Francisco na celebração da missa, em sua primeira visita à Bulgária, na capital Sófia.

Dentre várias palavras lindas proferidas, algo entrou musicado em meus ouvidos e ferveu meu coração, de um modo que me fez quase parar e abrir um sorriso espontâneo instintivamente. Papa Francisco destacou:

 

Três realidades que marcam a vida dos discípulos

Partindo a liturgia dominical, o Santo Padre articulou a homilia da celebração lembrando três realidades estupendas que marcam a nossa vida de discípulos: Deus chamaDeus surpreendeDeus ama.

Quando fui desligar meu celular, tinha uma notificação do aplicativo da Comunidade Shalom mostrando um novo post em seu blog.. adivinhem só o título da matéria..

Papa Francisco:

Deus chama,

Deus surpreende,

Deus ama

Abaixo segue a matéria original mencionada acima..

Papa Francisco: Deus chama, Deus surpreende, Deus ama

Verdades nuas

Não gosto de explicar as letras das músicas que componho, pois acredito que cada um coloca nela suas vivências, transformando-a no que quiser para si. Mas acho interessante apresentar o contexto em que ela foi feita, o que a inspirou, como foi criada, o processo em si.

Se você só quer ouvir a música, dá um Play e curte!

Mas, se quiser conhecer a história desta música, continue lendo…

Em 06 de dezembro de 2017 recebi uma mensagem pelo WhatsApp, encaminhada para o grupo dos nossos amigos pelo meu irmão do coração Marcelo de Jesus.  A mensagem na integra era a seguinte:

“Diz uma parábola judaica que certo dia a mentira e a verdade se encontraram.
A mentira disse para a verdade:

– Bom dia, dona Verdade.
E a verdade foi conferir se realmente era um bom dia. Olhou para o alto, não viu nuvens de chuva, vários pássaros cantavam e vendo que realmente era um bom dia, respondeu para a mentira:
– Bom dia, dona mentira.
– Está muito calor hoje, disse a mentira.
E a verdade vendo que a mentira falava a verdade, relaxou.
A mentira então convidou a verdade para se banhar no rio. Despiu-se de suas vestes, pulou na água e disse:
-Venha dona Verdade, a água está uma delícia.
E assim que a verdade sem duvidar da mentira tirou suas vestes e mergulhou, a mentira saiu da água e vestiu-se com as roupas da verdade e foi embora.
A verdade por sua vez recusou-se a vestir-se com as vestes da mentira e por não ter do que se envergonhar, saiu nua a caminhar na rua.
E aos olhos de outras pessoas era mais fácil aceitar a mentira vestida de verdade, do que a verdade nua e crua.

Não sei quem é o(a) autor(a) desta história, mas a parábola cumpriu sua função e simplificou o paradoxo do mentiroso e as perspectivas sobre o que é verdade e mentira.

Imagem relacionada

Segui por semanas refletindo esta história, observando atento no meu dia a dia e de outras pessoas, próximas e distantes, tetando identificar o que era mentira vestida de verdade e o que era verdade nua e crua. Mas, principalmente analisando o que era mais fácil cada pessoa aceitar e conviver (1).

Pensei no conto de fadas que projetamos em nossas vidas, criando expectativas que nunca acontecerão e como isso pode ser frustrante e avassalador em nossas vidas. Ou exatamente o contrário, o quanto o conto de fadas pode motivar-nos na busca por vive-los e nos tornarmos pessoas felizes. Reflito sobre as perspectivas e o desafio de mudá-las constantemente, especialmente a que reflete nosso interior.

Imagem relacionada

Lembrei da Jornada do Herói, traçando um paralelo do conceito do Monomito de Joseph Campbell com a nossa vida real e a vontade que temos de vencer. Mas será que estamos atentos às lições que precedem vitórias e derrotas? Seriam estes apenas conceitos advindos de perspectivas opostas que podem ser invertidas a qualquer tempo?

Bem, este exercício foi de uma profundidade tamanhã em meus pensamentos,  que eu estava me transformando em uma pessoa intolerante, mau humorada, irritada e isso não estava me fazendo nada bem. Certo dia, para ser mais exato, no dia 29 de janeiro de 2018, cheguei em casa com a cabeça cheia, não conseguia parar de pensar e precisava me expressar. Foi quando me ouvi falando o que antigamente dizia para meu irmão do coração Fabiano Rateke:

Está com problemas? que bom!

Faz uma música!!

Foi o que decidi fazer naquele instante. Peguei o violão, a melodia veio instantaneamente. Peguei um papel e escrevi a história real  hipotética de um casal que vivia entre verdades e mentiras. Aí nasceu “Verdades nuas“, uma mistura de pensamentos, reflexões e vivências, próximas e distantes.

pexels-photo-767197.jpeg
(1) Pensando bem agora, até pensei em mudar o nome da música para mentiras vestidas de verdade sabe..  


Verdades nuas (cifra original)

Introdução: Bm7 / F#m / Em / A9  D#º / Bm7 / F#m / Em /  %

Bm7     F#m                   Em          A9  D#º
Ela era alguém sem pretensões
Bm7                F#m                               Em          A9 
Que não imaginava viver grandes paixões
Bm7                    F#m                          Em          A9  D#º
Queria só viver bem, amigos e distrações
Bm7                F#m                               Em          A9
Sorrisos soltos, sinceros magoavam ninguém
Bm7     F#m                   Em          A9  D#º
Ele era alguém sem ambições
Bm7                F#m                               Em          A9 
Queria só ser aceito como “o melhor”
Bm7                    F#m                          Em          A9  D#º
Sem controlar os desejos, sem saber dizer não
Bm7                F#m                               Em          F#m  G  A7 
Olhos brilhantes, palavras iludem multidões

G7+                                             F#m
Em contos de fadas existem vilões (que querem de derrubar)
G7+                                             F#m

A vida também tem “Jornada do Herói”
G7+                                             F#m

O tempo cura e a memória destrói
G                          A7

Prisões de mentiras e verdades nuas

Bm7     F#m                   Em          A9  D#º
Ela tem coração e vê além do olhar
Bm7                F#m                               Em          A9 
Confia a vida nas mãos do seu grande amor
Bm7                    F#m                          Em          A9  D#º
Ele só não vê a carne do coração
Bm7                F#m                               Em        A9  
Diz ter fé em Deus, mas sem nenhum pudor
Bm7     F#m                   Em          A9  D#º
Ela age amor e ele traições (trai sonhos)
Bm7                F#m                               Em          A9
Ela diz que perdoa e ele foge do lar

Bm7                    F#m                          Em          A9  D#º
A verdade liberta eles daquelas prisões
Bm7                F#m                               Em        A9 
Na vida de mentiras ele prefere ilusões

 

Silêncio

Esta música foi algo divino. Meu amigo Anderson Geremias me enviou a letra, quando li, Deus me tocou tão forte que instantaneamente a melodia veio para minha mente, boca, dedos e coração.. Fiquem com a profundidade do Silêncio.

OBS: perdoem-me a qualidade da gravação, mas ainda está na versão que gravei no celular. Assim que possível gravei em qualidade melhor.

CIFRA 

Girassol

Um certo dia, na missa de domingo da igreja em que participo, na Base Aérea de Florianópolis – Paróquia Nossa Senhora de Loreto (www.nsloreto.com.br), o Pe. Vanildo  celebrava a missa e, como de costume, passou com Santíssimo Sacramento abençoando o povo. Foi aí que eu tive uma visão. Era como se cada pessoa fosse um girassol em um lindo jardim, e Jesus Eucarístico fosse o Sol que iluminava e aquecia a vida de cada uma daquelas flores do início ao fim de suas existencias, dando sentido para suas vidas.

Fez todo sentido para mim, pois um girassol sem sol, olha para o chão e fica com a aparência triste e sem graça (no nosso caso, sem a Graça de Deus).

Cheguei em casa e senti a inspiração de compor esta canção, que foi gravada pelo Ministério Ressoar em Deus, o qual sou membro fundador.

Então, curta Girassol e fique a vontade para meditar e rezar esta canção.

Pelo Teu Amor…

Certo dia eu estava em casa e senti uma inspiração para criar uma melodia em C#m (Dó sustenido menor) que tivesse uma mudança de tom no refrão e retornasse para o tom inicial nas estrofes. Foi algo estranho e gostoso, pois a fiz de primeira sem retornar, como se alguém estivesse me “cantando” as notas e cada toque.. como se eu já conhecesse a música e apenas a estivesse tirando no violão.

Pois bem, sem entender direito o que estava acontecendo, assim o fiz.

Nesta época eu, ainda solteiro, frequentava muito a casa do meu amigo Augusto Joenck Martins. Nesta mesma semana fui a casa dele, como de costume, e falei empolgado assim que o vi: – Cara! Tenho uma para te falar!!

E ele prontamente me respondeu com a mesma empolgação: – Também tenho uma para te falar!

Após ficarmos decidindo quem falaria primeiro (hehehehe) falei: – Fiz uma melodia para uma nova música mas ainda não tem letra.

O Guto, ficou surpresto e disse: –  Não acredito! Eu fiz uma letra mas ainda não tem melodia.

Bem, não havia muito o que se fazer, prontamente sentei na cama do quarto dele, puxamos uma cadeira, colocamos a letra dele na nossa frente e, sem brincadeira, cantei a letra dele com a minha melodia e como ela foi tocada na primeira vez é como ela está até hoje. Tivemos a certeza que foi a ação do Espírito Santo de Deus que agiu nesta canção, mas na época, não sei por que, a tocamos umas poucas vezes no Movimento Água Viva Jovens (que participávamos naquele tempo) e “engavetamos”. Hoje, porém, e não por acaso, participamos juntos do Ministério Ressoar em Deus. Agora, este ministério deu uma lavada neste som, botou pra secar e gravou esta composição que tem tanto significado em nossas vidas.

Ouça agora a canção com a releitura do Ressoar em Deus e os arranjos de Leandro Otávio, porém, na mesma melodia original, da mesma forma que foi tocada e cantada na primeira vez. Sem dúvida esta melodia e letra foram feitas uma para outra.