Escutar, tocar, nascer e eternizar…

Quando alguém escuta uma composição sua, é como se você nascesse novamente naquele momento, no coração de alguém. Quando essa música toca a alma de quem a ouve, você se eterniza, no pensamento mais recente.

Fernando Lauro Pereira

Isso me mata no Spotify, Google Music, iTunes, Deezer …

E agora mais um som meu está disponível no Spotify, iTunes, Google Music…

🎼  “Isso Me Mata” um Reggae de Fernando Lauro Pereira

A gravidade

A vida está corrida, e cada vez tenho menos tempos para as coisas boas da vida, até quando? não sei! Mas, o fato é que quando bate uma inspiração e as palavras martelam na cabeça, estilhaçando sentidos pra todos os lados. Não consigo resistir, e mais uma canção nasce. Foi o caso…

Hoje quero compartilhar com vocês meu novo som que acabou de sair do forno, chamado “A gravidad”.  Não vou explicar pois prefiro que cada um de o sentido da música para a sua vida.

E                            D
A gravidade age em todos os momentos
A                                E
Em uns amenos em outros mais graves
E                                  D
Os agudos enfrentam grandes movimentos
A                              B
Frequentemente suprimidos pelos graves

C#m          B    A                                         E                     
Eu quero mais do que me prende com os pés no chão
C#m          B    A                                B  A  D  A    E
Eu quero mais que uma maça acelerando até o chão

E                            D
Ouvi dizer que a gravidade de hoje em dia
A                                E
Fica menor quando distante do que agia
E                                  D
Por isso o tempo relativo a gravidade
A                              B
Grava com lápis o agravo que havia

E                            D
A gravidez, contra a probabilidade,
A                                E
Da a gravidade o lugar que merecia
E                                  D
Grava pra sempre como numa tatuagem
A                                E
O amor é a massa que a gravidade se rendia

Não sei o que fiz pra te merecer…

Esta música eu fiz especialmente para a Joice, hoje minha esposa, mas na época, minha namorada. Na verdade, tínhamos acabado de começar a namorar. Eu demorei para dizer que a amava, pois queria ter certeza quando dissesse. Pois bem, quando tive certeza, compus esta canção. Amo-Te!

 

Prestar mais atenção nos detalhes

Depois de muito tempo, em fim saiu um reggae para aqueles que curtem o estílo da liberdade e da coisas simples que nos ensina a natureza.

Conforme prometi, aí vai a gravação do home estúdio.. Detalhes…

 

 

DETALHES

Vou fazendo a minha parte sem perder a fé

Não me interessam os problemas, seja o que Deus quiser

Todos os dias agradeço pelo amanhcer

E quando brilha o sol forte penso – Como não pude perceber?

A cada dia sempre caberá novos problemas

E para cada tempestade suas turbulências

Nessas horas eu percebo toda grandeza

De ter um teto e o aconchego de uma princesa

Não me falta lealdade ao Deus da providência

Que nunca me deixe a piedade e o dom da paciência

Para perceber toda beleza de uma borboleta

Que soube vencer o seu casulo, ensina a mãe natureza

Decisões

https://i1.wp.com/api.ning.com/files/SHiJ3GhHNrE5gBaSg9usfKBcn*68KvsKcyR-ZDu9QFsMArvjleYMj2ktBduO-Csi0FMIpiszuZ3sDkA-SNqn3jbtTdOaJlF-/olho_borboleta.jpgEste som eu fiz em um momento de grande indecisão profissional, academica e espiritual, com medo de ousar mais ou de acreditar mais. Ao mesmo tempo em que alimentava um sentimento de “ter os pés no chão” dando um paço de cada vez na caminhada. Bem, tive a certeza de que se eu não fizesse nada, alguém iria fazer, seja este algo o que fosse. E que tudo sempre pode ser diferente desde que seja tomado alguma decisão diferente da decisão de não se fazer nada.

Como um efeito borboleta

O bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo

O caminho se faz caminhando, seja seguindo uma estrada, uma trilha ou abrindo caminho na mata fechada desbravando novos destinos.

Talvez a música fale melhor para você, ou até fale outra coisa. ;) Ouça aí então “Decisões”

DECISÕES

As vezes tenho a sensação de deixar passar
Em minhas mãos as decisões que mudariam tudo
Talvez por não arriscar ou por saber pesar
O que realmente vale a pena e não vai mais voltar

Tento não me preocupar com o que será
Mas o verbo que no futuro ainda é combustível
Projetar, sonhar, tentar alcançar
Faz tanto ou mais diferença que realizar

O fato é que tudo vai ser o que tiver que ser
Do jeito que seria com a mesma ou de outros
A alegria neste ou em outro lugar

Braçada

Semana passada fui, mais uma vez, tentar pegar uma onda com meu amigo Reinaldo Gorjão. Ele já estava na praia do Morro das Pedras, em Florianópolis, e eu cheguei depois. O dia estava lindo, um perfeito dia do verão bem no final do inverno, coisas da ilha. A ondulação estava entrando de Leste em um vento terral que deixava o mar lindo.

https://nandomus.files.wordpress.com/2011/08/img_6011.jpg?w=300Depois de uma longa temporada da Tainha por aqui, estava realmente animado para cair na água, mesmo sabendo de minhas condições físicas de sedentário. Fui até o meio da praia, alonguei e cai na água. Até aí, tudo lindo. Se não fosse o repucho que estava forte na beira do mar, e logo me levou para o costão, e minha braçada não foi suficiente para vencer a rebentação.

Fiz mais algumas tentativas, e sem sucesso, saí da água já cançado, tonto, enjoado e sem conseguir exercitar o meu surf, só os braços mesmo. Bem coisa de novato. Mas, não saí fora. Fiquei por ali, pensando na vida e refletindo sobre como a vida é parecida com aquilo que eu tinha vivido naquele instante.

Nossos sonhos, objetivos e desejos estão muitas vezes bem na nossa frente. Tudo parece tão fácil. Mas, o que os olhos não veem é o que está por baixo da água, as tribulações, a força do mar, puxando contra. Percebi que para alcançar os meus sonhos não basta querer, é preciso estar preparado, treinado, com os braços fortes e condicionados para remar ao horizonte. Pois, a onda não quebra no raso.

Pois é Reinaldo, não rendeu um surf, mas rendeu um som, para que sempre eu me lembre de como são as coisas na real.

Curtam aí o novo som, feito em 20/08/2011, “Braçada

Braçada

Os olhos não veem,
A mente está lá
A braçada que sente
Contra a corrente
A força do mar

Tem que ter braço para entrar
A onda bloqueia a vontade. No fundo dão as costas porque muda o olhar
Parece ser tão fácil atravessar
Mas por baixo da água uma força carrega para as pedras os sonhos, vontades e desejos de surfar

Hoje fico olhando com os braços cançados
Por enquanto eu fico cantando, olhando, rezando e remando, remando, remando… Porque..

Fernando Lauro Pereira (2o/08/2011)

Um dia talvez…

Um dia talvez…

Um dia talvez eu consiga fazer tudo que gostaria de cantar; Um dia talvez eu cante tudo que eu consiga gostar de fazer; Um dia talvez eu faça tudo que gosto cantando; Um dia…. talvez… enquanto isso, me contento em partilhar cada dia e composições neste blog.