É um pouco mais de nós

Este som foi feito de uma maneira bem diferente, que eu ainda não havia experimentado, e que talvez só tenha dado certo pela sintonia nas viagens (risos).

Um dia eu estava lendo meus e-mails e vi que meu amigo Fernando Amaral do Blog Palavra e Som (http://palavraesom.com.br) estava on-line. Como já tinha visto pelo Facebook que ele estava em uma trip pela Bolívia, chamei ele para um papo afim de saber como estavam as coisas.. Em meio as nossas “viagens” (reflexões), ele soltou uma frase que “acendeu a lampada!” – É um pouco mais de nós”.

Na mesma hora eu abri o Google Docs, criei um arquivo chamado “É UM POUCO MAIS DE NÓS“, coloquei a data 20/09/2012 e compartilhei com ele para que ele também tivesse acesso pelo Google Docs dele.

Dois dias depois ele fez a primeira estrofe e o refrão. No mesmo dia eu escrevi mais duas estrofes. Como ele deixou a melodia por minha conta fiquei aguardando a inspiração.

Hoje, sexta-feira, feriado de 12 de outubro de 2012, dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, bem na hora que eu dei uma parada na leitura (estou fazendo um pré-projeto para concorrer ao mestrado em administração universitária pela UFSC e tenho que entregar na segunda-feira) veio a inspiração. Nasceu um reggae para variar..

Então, aí vai, curtam “É um pouco mais de nós”, uma parceria de Fernando Amaral, em viagem na Bolívia, e Fernando Pereira (eu), no Brasil.

Como esta canção foi concebida nos lençois da nuvem, graças a tecnologia da informação e comunicação, nada mais justo que seu parto seja feito nas redes sociais para se manter o berço, on-line.

É um pouco de nós

Fernando Amaral (na Bolívia) Fernando Pereira (no Brasil) – 20/09/2012 – 12/10/2012

Intro.  G   D    Em7             C       G  (2X)

G                   Am
Nem só de nomes são feitas as semelhanças
G                           Am
Pensamentos, sentimentos, parecidos quase iguais!
Bm             Am                          G
Resgatam a ousadia de partir na missão de se encontrar
                 Am              G
Imprevisíveis sensações que nos levam a dizer:
           Am                    G
Que tudo isto que vivemos, é sempre um pouco mais de nós!

G             D              Em7                         C       G
É sempre um pouco mais em nós, e um pouco a mais a todos nós!
G             D              Em7                         C       G
É sempre um pouco mais em nós, e um pouco a mais a todos nós!
G             D              Em7                         C       G
(É um pouco mais de nós….)

G             Am
Por que se ver nem sempre é espelho
                G                           Am
Irmãos, amigos, sonhos e destinos, parecidos, quase iguais!
Bm             Am                          G
Previsíveis relações que nos levam a dizer:
            Am                    G
Que tudo isto que vivemos, é sempre um pouco mais de nós!

G             Am
A consequente decisão que reflete a ambição
               G                           Am
De uma vida toda em música, pensamentos e questões
Bm             Am                          G
Vidas distantemente próximas, parecidas, quase iguais!
            Am                    G
A intersecsão dos sentimentos que nos levam a dizer:
            Am                    G
Que tudo isto que vivemos, é sempre um pouco mais de nós!

Prestar mais atenção nos detalhes

Depois de muito tempo, em fim saiu um reggae para aqueles que curtem o estílo da liberdade e da coisas simples que nos ensina a natureza.

Conforme prometi, aí vai a gravação do home estúdio.. Detalhes…

 

 

DETALHES

Vou fazendo a minha parte sem perder a fé

Não me interessam os problemas, seja o que Deus quiser

Todos os dias agradeço pelo amanhcer

E quando brilha o sol forte penso – Como não pude perceber?

A cada dia sempre caberá novos problemas

E para cada tempestade suas turbulências

Nessas horas eu percebo toda grandeza

De ter um teto e o aconchego de uma princesa

Não me falta lealdade ao Deus da providência

Que nunca me deixe a piedade e o dom da paciência

Para perceber toda beleza de uma borboleta

Que soube vencer o seu casulo, ensina a mãe natureza

Ah, se você pudesse ver..

Faz pelo menos 15 anos que fiz uma melodia sem letra (falei sobre esta melodia outro dia aqui no blog) e o Du (Eduardo Rateke) não me deixa mentir pois ainda está de posse da fita K7 com esta melodia gravada (graças a Deus ele guardou pq nem eu tinha mais esse material – obrigado du!). Tentei por anos, e não conseguia achar uma letra digna daquela bossa. Mas, como nada se perde e esta melodia ficou guardada na gaveta (cachola), outro dia desses saí do banho cantarolando algo que só poderia caber “naquela” melodia. Dito e feito! Foi de primeira. Nasceu mais uma filha, e essa já virou xodó.

Como é razão de existir deste espaço, que é dedido aos amigos que curtem os sons do NandoMus, compartilho da minha alegria hoje aqui este som, entitulado -Se você pudesse ver.

SE VOCÊ PUDESSE VER

Ah, se você pudesse ver

Ah, se você pudesse olhar

Você seria bem melhor

Enchergando tudo que há por dentro

Entenderia a beleza de se amar

O Mal é escuro e não dá para ver

O bem brilha e reflete em tudo que há por lá

Veria como é simples o sentimento

Como é sereno, supremo e tranquilo esse lugar

O coração de quem ama não vê o tempo

E a única janela está no olhar

Diferente para sempre

Hoje quero partilhar com vocês uma letra que fiz e ainda não musiquei. O engraçado é que fiz ela pensando em alguém e depois me vi nela, diferente para sempre também.

Desta vez a letra veio antes da melodia. Canções são assim mesmo. Outro dia mesmo aconteceu exatamente o contrário, letrei uma melodia feita à 15 anos. O resultado foi uma bossa bem light que outro dia desses mostro para vocês aqui, assim que gravá-la.

Enquanto isso, viajem comigo em “Diferente para sempre“…

Meus bichos, meus grilos
Meus matos, meus gastos
São fatos concretos e incompletos
Cenários que preparo para o ato que espero se realizar

Moldura sem quadro é arte para poucos
Mentes rotuladas em embalagens retornáveis

Diferente para sempre
Para nunca mais voltar a ser igual

Há quem diga, inteligente
Isolado ou anormal
Prefiro, diferente
Em um todo tão igual

Quero ainda um dia desses encontrar um tão diferente
Que me faça ser igual ou mesmo uma normal dessas
Mas que me ame diferete para todo o sempre, coisa e tal

Quase 2 minutos de “Verdade”…

Sabe quando você quer desabafar tudo que está na mente e chega a unir as palavras para falar tudo de uma vez, usando todos os sentidos? Pois é, foi o que aconteceu quando fiz este som.

Ok, faz bastante tempo, mas é como se fosse hoje.

Curta comigo a Verdade…

Verdade

Tudo que eu penso é verdade

Falo o que me conventos trazem as tempestades

E com elas os homens mudam até de cidades

Que alagadas bloqueiam toda aquela vida

Construída de luta, de dor, egoísmo e ambição

De uma sociedade

Tudo que eu vejo é verdade

Fora o que me escondensam comunidades

Que afastadas ocultam grandes dificuldades

E por nada fazer, fazemos questão de esquecer

E contamos vantagens

Tudo que eu ouço é verdade

Desde que não me mintambém  ouço verdades

Mesmo que não falem, ouço pelos olhares

São a porta da almaravilha do olhar

Mais que mil palavras se houver

Uma reciprocidade

Em busca do ócio produtivo

Houve um tempo em que eu rendia muito na loucura, e ainda tenho estes colapsos de composições em momentos insanos, mas confesso que hoje estou em busca do ócio.

Tempo livre não significa repouso. O repouso, como o sono, é obrigatório. O verdadeiro tempo livre é apenas a liberdade de fazermos o que queremos, mas não de permanecermos no ócio.
(George Bernard Shaw)

Até sinto saudade (as vezes) destes insides, mas hoje encontro uma maturidade poetica de me sinto mais seguro em poder sentir e perceber quando a inspiração vem, e dizer, “isso é lixo” ou .. “mmm.. isso é bom hein!”. E aí que tenho percebido o poder do ócio e como as inspirações para compor e o potencial em alimentar projetos musicais se multiplicam na liberdade de uma mente livre em um corpo descansado.

Como não vivo da música (e nem quero viver da música .. entender) percebo no ócio a parte ruim de trabalhar 40h semanais, pois no tempo “livre” não se vive, se sobrevive. Apenas conseguimos tomar um folego para trabalhar mais 40h na próxima semana. Definitivamente não é a mesma coisa. Fica o sonho de um dia poder trabalhar menos para produzir mais à sociedade.

Tenho plena certeza que cada um de nós tem um poder enorme para mudar a vida uns dos outros, desde que para isso, não sejamos iguais uns aos outros. Somos completos nas diferenças, diferentes idéias, valores, culturas, sonhos.. diferentes músicas para diferentes momentos. Ah sim, a vida é cheia deles (momentos).

Um dia talvez…

Um dia talvez…

Um dia talvez eu consiga fazer tudo que gostaria de cantar; Um dia talvez eu cante tudo que eu consiga gostar de fazer; Um dia talvez eu faça tudo que gosto cantando; Um dia…. talvez… enquanto isso, me contento em partilhar cada dia e composições neste blog.