Em busca do ócio produtivo

Houve um tempo em que eu rendia muito na loucura, e ainda tenho estes colapsos de composições em momentos insanos, mas confesso que hoje estou em busca do ócio.

Tempo livre não significa repouso. O repouso, como o sono, é obrigatório. O verdadeiro tempo livre é apenas a liberdade de fazermos o que queremos, mas não de permanecermos no ócio.
(George Bernard Shaw)

Até sinto saudade (as vezes) destes insides, mas hoje encontro uma maturidade poetica de me sinto mais seguro em poder sentir e perceber quando a inspiração vem, e dizer, “isso é lixo” ou .. “mmm.. isso é bom hein!”. E aí que tenho percebido o poder do ócio e como as inspirações para compor e o potencial em alimentar projetos musicais se multiplicam na liberdade de uma mente livre em um corpo descansado.

Como não vivo da música (e nem quero viver da música .. entender) percebo no ócio a parte ruim de trabalhar 40h semanais, pois no tempo “livre” não se vive, se sobrevive. Apenas conseguimos tomar um folego para trabalhar mais 40h na próxima semana. Definitivamente não é a mesma coisa. Fica o sonho de um dia poder trabalhar menos para produzir mais à sociedade.

Tenho plena certeza que cada um de nós tem um poder enorme para mudar a vida uns dos outros, desde que para isso, não sejamos iguais uns aos outros. Somos completos nas diferenças, diferentes idéias, valores, culturas, sonhos.. diferentes músicas para diferentes momentos. Ah sim, a vida é cheia deles (momentos).